Arquivo da Categoria: CEID´Outeiro IDEIA

Jardim de Infância em Outeiro – Centro de Educação Infantil e Desenvolvimento.

EXPOSIÇÃO CEID´Outeiro

“À noite no museu – A TERRA EM NÓS”
No seguimento das comemorações da semana dos museus, o jardim-de-infância CEID’Outeiro, organizou a exposição – “A TERRA EM NÓS”, e abriu portas das 20h às 21h30.
Esta exposição resultou de um conjunto de projetos elaborados nas salas e que ganharam vida no Museu (vários espaços do J.I.), na noite dos Museus.
– «Ao entrarem nesta viagem desde o Universo…vão chegar às pessoas… aos cheiros… lugares distantes… …sabores… conhecer animais… experiências…
poder descobrir o tamanho da nossa curiosidade…das ideias…partilhas e pesquisas…em projeto…uns com os outros, vivendo a “Terra em nós” »

INÍCIO da Exposição – Projeto: “porque é que não há gravidade no espaço”  +
PLANETÁRIO – Projeto “planeta terra”

Na sala da VULCANOLOGIA, o Projeto “vulcões” e “Açores, terra do Pico”:

SALA do JOGO DRAMÁTICO – Projeto “O continente africano”:

Nos corredores, sala de transição e pátio – Projetos: “o crocodilo do Nilo” , “tigre”, “as cobras” e “como é que as abelhas fazem a polinização”:

Na sala das expressões – Projetos “as cores do mar dos açores”, a pintura de “Almada Negreiros” (natural de São Tomé / continente africano) e as “cores d’Africa”:

Projeto “A Geneta” / Colocação de sinal no PNSC

Por iniciativa e proposta do CEID’Outeiro a Cascais Ambiente (CMC) aceitou sinalizar no PNSC – Parque Natural Sintra Cascais, este animal silvestre – a GENETA. É um animal escasso (cerca de 20 neste parque) devido ao seu modo de vida solitário, o que dificulta a reprodução. 

Como começou o projeto no CEID´Outeiro…
“Eu encontrei uma geneta morta na estrada, ao lado do passeio(…)”
Como não sabíamos o que era uma geneta, quisemos fazer um projeto para investigar:
“deve ter 4 patas”
“Os carros atropelam as genetas na estrada”
“Correm rápido”
“Vivem na floresta”
“Deve ter pêlo”
“Há poucas genetas? (estão em extinção?)”
“Têm garras afiadas”
“O que comem?”

Proposta de sinal – resultado das pesquisas que feitas nas ruas perto da escola e ajuda das famílias (que enviaram sinais de trânsito).

O percurso, a investigação e as aprendizagens feitas em grupo, resultaram na colocação da placa pela Cascais Ambiente a 23 de novembro, no parque natural Sintra Cascais, Campo Base Pedra Amarela.

Carta ao Sr. Presidente da Câmara de Cascais…

Educadora da Sala Intelectual:
Cristina Prazeres 

 

Projeto «Educar para a cidadania»

sersolidario_

Frase de Madalena Mariano (5 anos)

O Banco Alimentar contra a Fome enviou uma carta ao CEID’Outeiro a propor-nos a participação no seu projeto “Educar para a cidadania”, tendo sido recebida com entusiasmo pelas crianças.
Os alimentos começaram a chegar à nossa escola (com o envolvimento e participação das famílias) e decidimos fazer uns crachás de agradecimento com a frase da Madalena e com a colaboração de ilustrações elaboradas pelo grupo.

“Pretende-se deixar a semente da cidadania às gerações futuras, o Banco Alimentar propõe-se trabalhar neste projeto os valores: verdade, liberdade, tolerância, partilha, solidariedade, respeito pela dignidade do homem, direitos humanos, promoção da justiça, concórdia, participação e intervenção cívica e respeito pelo ambiente.” Banco Alimentar contra a Fome (BA)

O projeto inclui:
– sessão de esclarecimento às famílias sobre o Banco Alimentar contra a Fome (BA)
– campanha de recolha de alimentos
– sessões com exploração de contos dinamizados pela equipa do BA.
– visita ao armazém do BA.

Como tudo começou..
Na sala (Intelectual) falámos sobre o projeto e propusemos participar, depois dessa conversa surgiram algumas dúvidas:
– O que é o Banco alimentar?
– O que faz?
– Como?
– O que é a fome?
Fizemos uma pesquisa sobre o trabalho desenvolvido pelo BA e uns cartazes com toda essa informação (em exposição no hall de entrada da creche)

Passado uns dias, uma das crianças trouxe um saco de alimentos e disse:
– “Eu pedi à minha mãe alguns alimentos porque acho que também posso ajudar”.
Foi assim que iniciámos uma recolha de alimentos e posteriormente algumas sessões pelas salas L, XL (creche), 1º e 2º ano, 3º ano e 4º ano do 1º CEB a explicar o projeto.

Educadora Cristina Prazeres, CEID’ Outeiro

SABER MAIS: Site da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome – http://www.bancoalimentar.pt/

A corrida de caracóis

1

Atletas: Lina Baltazar, Vítor Aurora, António Lena, Clara Luís, Zé Divina, Amélia Jaime e Clara Gaspar.

O projeto “os caracóis” surgiu porque encontrámos um caracol na parede da nossa sala que começou a “comer” alguns dos nossos registos.

Em grupo, falámos sobre o caracol e porque é que andava a comer os nossos desenhos. Chegámos à conclusão que deveria ter fome.
– “o que é que os caracóis comem? Perguntou a Beatriz
– “eu também queria saber se eles têm ossos?disse o Ricardo.

Organizámos um grupo com a Beatriz, a Benedita e a Matilde S. que se propuseram investigar os caracóis. Descobrimos que são molúsculos, têm concha, um muco que largam e que os ajuda a subir pelas paredes, não ouvem, são ovíparos, colocam os ovos na terra….,

Entretanto pensámos que deveríamos construir uma casa para o caracol e depois de sabermos que vivem em ambientes húmidos, precisam de terra e comem plantas.
Planeámos a construção de um terrário, fomos à rua recolher areão, pedras, paus, terra.

O pai de um dos meninos trouxe-nos outro caracol.
– “… bem, com dois caracóis é preciso dar-lhes um nome.
Na nossa pesquisa aprendemos que os caracóis são hermafroditas e por isso a decisão foi colocar-lhes um nome masculino e outro feminino. Fizemos a lista dos nomes femininos e masculinos e seguiu-se a votação, o caracol que andava na parede ficou com o nome de Lina Baltazar, o outro é o Vítor Aurora. Mas como foram chegando outros caracóis à sala, vindos dos jardins, da horta…tivemos de escolher outros nomes e hoje vivem no nosso terrário o caracol António Lena, a Clara Luis, o Zé Divina, Amélia Jaime e a Clara Gaspar.

O projeto foi comunicado ao grupo, passámos a ter mais uma tarefa na sala – cuidar do Terrário, porque todos os dias é preciso humidificá-lo.
E como de vez em quando alguns caracóis fogem “a correr” do terrário e vêm espreitar cá para fora… a Educadora Cristina Prazeres propôs:
– “Vamos fazer uma corrida de caracóis?

CEID´Outeiro Sala Intelectual 2015-2016

EXPOSIÇÃO – “No Caminho da essência” de Christos Bokoros

ceid-outeiro-visita

Fundação D. Luís I, Centro Cultural Cascais
“Exposição No caminho da Essência”
sobre o percurso pictórico de Christos Bokoros. (artista plástico Grego).
Foi neste autor que nos inspirámos para pintar nas tábuas, tal como ele faz nas madeiras dos barcos e das pontes antigas. Tem uma obra muito interessante, recomendo…
Educadora do
CEID’Outeiro – Cristina Prazeres